Inteligência Artificial é principal aposta em inovação para o Comércio Exterior no Brasil

Levantamento da Thomson Reuters em parceria com a Live University mostra que setor pretende ampliar investimentos em novas tecnologias e capacitação profissional

São Paulo, dezembro de 2018 – A adoção de novas tecnologias já é realidade no segmento de Comércio Exterior, não somente no Brasil, mas em todo o mundo. Seja com objetivo de automatizar processos, reduzir custos ou garantir maior conformidade legal em todo o processo. Entre todas as inovações disponíveis, a Inteligência Artificial é a mais promissora para os profissionais que atuam diariamente com operações de importação e exportação. Essa é a conclusão de um levantamento feito em parceria entre a multinacional de tecnologia Thomson Reuters e a Live University, universidade especializada em cursos voltados para negócios, que ouviu mais de 300 profissionais em posições de liderança e especialistas das principais organizações do país.

De acordo com a pesquisa, 77% dos profissionais de Comex acreditam que a Inteligência Artificial e o Machine Learning são as inovações com maior capacidade de trazer benefícios para o negócio, seguido da IoT (36%), Data Science e Blockchain (ambos com 22%). “Isso é explicado pelo fato de que a unificação dessas tecnologias reúne quase tudo que o Comércio Exterior necessita para se tornar mais eficiente: boa análise de dados, segurança nas transações, conectividade, automação de processos e orientação para a tomada de decisão. Assim, é possível reduzir custos, minimizar riscos, aumentar a inteligência do negócio, investir mais tempo em atividades estratégicas e gerar excelência operacional”, garante Santiago Ayerza Managing Director para o segmento Corporativo da Thomson Reuters América Latina.

A grande maioria dos entrevistados (95%) acredita que a adoção de novas tecnologias é positiva para o Comércio Exterior, pois traz benefícios e oportunidades para melhorias. Isso é comprovado pelo fato de que 82% das empresas pretendem manter ou ampliar os investimentos nesse sentido para 2019 e 85% das organizações já fazem uso ou pretendem implementar nos próximos anos mudanças impulsionadas pela Indústria 4.0 dentro do Comex.

“Isso está diretamente relacionado com a competitividade. Utilizar tecnologia de ponta está se tornando uma necessidade básica para quem importa e exporta mercadorias. O próprio mercado identifica isso, já que 77% dos profissionais que participaram da pesquisa acreditam que, em um prazo de três anos, não será possível se manter competitivo sem acompanhar as inovações tecnológicas”, ressalta Ayerza.

O objetivo principal do investimento na Indústria 4.0 ainda é a redução de custos, fator apontado por 81% dos participantes, seguido por mitigação de riscos (73%) e aumento da competitividade (59%). No entanto, parte das empresas também valoriza a governança corporativa (41%) como fator importante para utilizar inovações em tecnologia. “Estar em conformidade legal e transmitir uma imagem transparente e positiva é fundamental para as relações e operações de comércio exterior. Por isso, é importante contar com soluções tecnológicas cada vez mais avançadas e que possam proporcionar este tipo de benefício”, completa o executivo.

Mudanças na profissão

O levantamento identificou também a tendência de transformação das profissões relacionadas com Comércio Exterior por conta da implementação de inovações dentro do segmento. Todos os entrevistados acreditam que que a tecnologia poderá otimizar funções operacionais e/ou modificar as formas de atuação das pessoas na área. Já 95% creem que, por conta disso, novas funções e profissões, ainda não existentes, surgirão nos próximos anos.

O bom sinal é que o mercado está atento, pois 86% afirmam que suas organizações estão investindo na capacitação para que os colaboradores estejam preparados para as mudanças que devem surgir. “O bloco composto por IoT, Blockchain, Data Science, A.I e Machine Learning é a grande mudança de funções e transformação dos empregos nos próximos anos. Com a maior parte dos decisores otimistas quanto ao cenário mundial, e confiantes que o cenário brasileiro pode melhorar a partir de 2019, um cenário propício para implementação de novas tecnologias vai, aos poucos, se delineando”, analisa Alex Leite Diretor Educacional da Live University Confeb.

Assessoria de Imprensa




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com