Search
15 novembro 2018
  • :
  • :

Frete mínimo reacende a discussão entre frota própria ou terceirizada

Especialista alerta que a tomada de decisão deve analisar dimensionamento da frota necessária e nível de ocupação desta ao longo do ano, se motoristas seriam próprios ou terceirizados e os riscos trabalhistas entre outros pontos.

Encerrada a greve dos caminhoneiros em junho deste ano e a ameaça de uma nova paralisação há muitas expectativas no mercado sobre quais seriam os impactos do movimento no custo do transporte. Alguns estudos, como os realizados pela Esalq-Log/USP, apontam uma alta mínima no custo do transporte de commodities agropecuárias até os portos de pelo menos 70%, ou até 154%, se o contratante pagar o frete de retorno, com o caminhão vazio.

“Esse cenário tem levado muitas empresas a cogitar internalizar suas operações de transporte. Se por um lado é direta a identificação do impacto no custo operacional devido à adoção da tabela de frete mínimo, por outro é bem mais complexa a estimativa de como se dará essa operação”, completa o consultor Rodrigo Arozo, sócio da Diagma Supply Chain Consulting.

Segundo ele, o custo da aquisição de veículos é apenas um dos fatores a serem considerados. Outras questões precisam ser avaliadas, antes de se decidir pela frota com veículos próprios ou pela terceirização. Confira:

Propriedade dos cavalos, dos complementos ou do conjunto completo?
Qual a estratégia de aquisição e renovação da frota?
Qual o dimensionamento da frota necessária? Qual será o nível de ocupação desta ao longo do ano?
Qual o nível de flexibilidade necessário neste dimensionamento?
A operação própria deve ser utilizada para todas as rotas?
Motoristas próprios ou terceirizados? Qual o risco trabalhista nesta possível terceirização de mão de obra?
Como fica a manutenção da frota? Própria ou terceirizada?
Qual a estrutura interna de gestão necessária para a operação?
Quais impactos em sistemas ou funcionalidades adicionais de gestão, planejamento e controle serão necessárias?
Quais outros riscos operacionais podem surgir com o aumento da complexidade desta gestão operacional?
Arozo também aconselha que as empresas estudem eventuais ganhos com a gestão da operação e a aposta no relacionamento com as transportadoras, antes de se definir pela primarização.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com